Fabricantes

Informações

Lagos & Cia Dicas


Conhecimento é sempre a base para o bom funcionamento de qualquer coisa e com lagos ornamentais não é diferente, por isso criamos esta área de dicas. Aqui você encontrará informações úteis para montar e/ou manter seu lago ornamental e seres vivos nele inseridos sempre saudáveis e bem cuidados, além de dicas de montagem e manutenção pra que seu lago não seja um trabalho em sua vida e sim um hobby prazeroso onde observar possa ser mais intenso do que fazer.

 

Se você tem alguma dúvida que não esta aqui, entre em contato conosco, teremos todo prazer em ajudar.

 

  1. Como saber quantos litros de água tem meu lago.
  2. Meu lago esta "secando". É normal?
  3. Quanto posso colocar de água para completar o nível do meu lago?
  4. Meus peixes estão apaticos, podem estar doentes? (doenças mais comuns)
  5. Quanto devo colocar de comida no meu lago?
  6. Quantos peixes eu posso ter?
  7. Posso ter qualquer tipo de peixe no meu lago?
  8. Meu lago precisa de um esterilizador UV?
  9. Como funciona um filtro Ultra Violeta.
  10. Alguns mitos e verdades sobre o uso de filtros UV em lagos ornamentais.
  11. Como manter seu filtro sempre funcionando.
  12. Cuidados com a bomba.
  13. Cuidados com a água.
  14. Algas verdes.
  15. O Ciclo do nitrogênio e sua importância para o lago.
  16. Como calcular a quantidade de manta necessária no meu lago?.
  17. Qual areia devo utilizar em meu lago?.
  18. Quanto vai custar meu lago de jardim?.
  19. Por que comprar uma ração de boa qualidade para meus peixes?
  20. Tudo o que você precisa saber sobre mantas impermeabilizantes para lagos ornamentais
  21. Cuidados com a água e a eletricidade.
  22. Tipos mais comuns de carpas Nishikigoi
  23. Quanto comprar de ração para meus peixes?
  24. Como identificar doenças nos peixes?
  25. Como escolher a bomba certa para meu lago?
  26. Vitamina para carpas a base de Montmorillonite - O que é?
  27. A importância da boa oxigenação nos lagos
  28. Meu lago já tem um ano...
  29. Por que lagos não precisam ter ralos ou ladrões?



 Como saber quantos litros de água tem meu lago. 

Essa talvez seja uma das informações mais importantes que você precisa ter sobre o seu lago, pois todas as intervenções que você precisará fazer no lago serão proporcionais ao volume de água.
Para calcular o volume exato é muito difícil, o único meio para se fazer isto é, na montagem do lago, medir o volume de água colocada com um hidrômetro. Como isso é muito difícil de se fazer vamos a alguns passos de como calcular o volume de água aproximado mais próximo do real possível.

1º Passo - Tirando as medidas.

Você deve medir o lago de lado a lado e da profundidade. (conforme exemplo mais comum abaixo). 

 Medidas de um lago ornamental                                                    Profundidade de um lago ornamental

Agora basta multiplicar as 3 medidas: A x B x C e depois diminuir do resultado a razão de 10%.
Exemplo: 1,5MT X 2,5MT X 0,3MT (NÃO ESQUEÇA DE UTILIZAR AS MEDIDAS SEMPRE NA MESMA UNIDADE - Tudo em metro ou tudo em centímetro) que é igual a 1,125 mt³ diminuindo 10% temos 1,012 mt³ (devemos diminuir estes 10% para compensar o volume ocupado pelas pedras, plantas e pelas variações do contorno do lago).

Agora temos que converter esta medida em decímetro cubico, pois 1 decímetro cubico é igual a 1 litro de água, faremos isso multiplicando o valor encontrado por 1000 - No exemplo teremos 1012 lt. 

Voltar ao topo 

 Meu lago esta "secando". É normal? 

É muito comum que os proprietários de lagos tenham esta dúvida, principalmente nas épocas do ano que temos umidade relativa do ar muito baixa, por isso seguem algumas dicas de como você pode descobrir se o seu lago "vaza" ou se é apenas a evaporação normal da água. 

A água evapora apenas pela superfície, por isso a água em movimento evapora mais rapidamente do que a água parada, pois o movimento aumenta a superfície do lago, além disso quanto maior a incidência de raio UV maior será a evaporação. Outros fatores também ajudam na evaporação como plantas aquáticas, pois estas sofrem o que chamamos de evapotranspiração que nada mais é que o "suor" da planta.

Os lagos, tanto naturais quanto ornamentais, podem perder um volume de água diária que varia entre 3mm e 14mm, ou seja, o seu nível pode baixar entre 0,3cm e 1,4cm por dia dependendo dos fatores expostos acima.
É crucial no entanto que esta medição não seja feita em dias chuvosos.

Caso seu lago diminua de volume mais de 1,4cm em um único dia é sinal de que ele pode ter algum tipo de vazamento. 

Caso seu lago esteja apresentando uma diminuição do nível fora do normal você pode chamar a Lagos & Cia 

Voltar ao topo 

Quanto posso colocar de água para completar o nível do meu lago? 

Periodicamente é necessário completar o nível de água de uma lago, porém devemos tocar um certo cuidado para não colocar água em excesso e quando digo isso não me refiro ao fato de o lago transbordar e sim a quantidade de produtos químicos que podem vir com a água colocada. 

Quando completamos o nível do lago com água da "torneira" o grande problema é o cloro. Neste caso podemos colocar no lago apenas uma quantidade de água que represente 20% do total do lago. 

Exemplo:
Em um lago com capacidade de 1000 lt, esta agora com 800 lt devido a evaporação, neste lago poderemos adicionar apenas a quantidade de 160 lt. Entenda que a quantidade de água a ser levada em conta é a que o lago tem no momento em que você for adicionar mais água e não a capacidade total do lago.

O ideal é completar o nível do lago em períodos mais curtos de 3 ou 4 dias a fim de diminuir o risco de excessos.

 

Caso você precise, por qualquer motivo, colocar no seu lago uma quantidade de água maior que 20% do volume é aconselhável que você utilize produtos condicionadores de água para eliminar o cloro e repor as bactérias presentes na água a fim de proteger a mucosa dos peixes, veja abaixo alguns exemplos deste produtos:

 

Cubos Water Protect 1lt

Cubos Water Bio 1lt

Alcon Anticloro 200ml


E comum se pensar que quando a água a ser colocada no lago é de poço não existem problemas com a quantidade. Isso é mentira. Alguns poços tem o Ph da água muito alcalinos ou muito ácidos o que pode comprometer o equilíbrio do seu lago, portanto é importante utilizar-se da mesma regra acima para estes casos.


Voltar ao topo 

4º Meus peixes estão apáticos, podem estar doentes? (doenças mais comuns) 

Existem várias doenças que podem assolar os nosso peixes ornamentais, listaremos e exemplificaremos abaixo os tipos mais comuns em lagos. 

Ictio: ou Ictiofitiríase (conhecida polo surgimento de pontos brancos no peixe) é causada por um protozoário e normalmente aparece nós frios ou quando o peixe sofre com grandes quedas de temperatura. Os principais sintomas são: nadadeiras fechadas, perda de apetite e respiração ofegante. Em lagos pode ser detectada além dos pontos brancos que surgem em todo o corpo e nadadeiras, pelo fato do peixe se "esfregar" nas pedras e no fundo. A forma mais comum de tratamentos é com medicamentos diluídos na água (geralmente é um líquido verde). A Lagos & Cia presta atendimento em caso de doenças de peixes, entre em contato conosco. 

Ex:
 Ictio    Barbus Sumatra com Ictio

Oodiniose: ou doença de veludo, também causada por um protozoário ele aparece nas mesmas condições e tem praticamente os mesmos sintomas do Icto, com a diferença que os pontos agora são levemente dourados com um tom levemente aveludado. O tratamento é também é igual ao do Ictio. A Lagos & Cia presta atendimento em caso de doenças de peixes, entre em contato conosco. 

Ex:

Oodinose em peixes ornamentais   Oodinose em peixes ornamentais
Hidropisia: ou barriga d'água é uma doença bacteriana, que causa uma disfunção renal que impede a eliminação dos líquidos absorvidos, assim o peixe fica inchado o animal pode apresentar ainda olhos salientes, escamas eriçadas e inflamações nas guelras e anus. Esta doença é causada principalmente pela má alimentação e por ambientes onde a água apresenta excesso de nitrato ou cloreto de sódio (sal). A cura é muito difícil e a melhor coisa a ser feita é a prevenção, tenha preferência por alimentos de boa qualidade e não guarde a ração em frascos transparentes, além de manter sempre uma boa qualidade da água. A Lagos & Cia presta atendimento em caso de doenças de peixes, entre em contato conosco. 

Ex:

Hidropisia em peixes ornamentais  Hidropisia em peixes ornamentais


Argulose: mais conhecida como "piolho de peixe" é causada por uma parasita que pode infectar todos os tipos de peixes, porém sua maior diagnosticação acontece em carpas e kingios, quando na fase adulto o parasita pode ser visualizado a olho nu, isto facilita bastante a descoberta da doença. A melhor forma de prevenção é a prática de quarentena antes da inserção de novos peixes no lago. O tratamento consiste em retirar os "piolhos", mais apenas isto não basta, pois podemos ver apenas os maiores, por isso é necessária a aplicação de medicamentos específicos para parasitas na água do lago. A Lagos & Cia presta atendimento em caso de doenças de peixes, entre em contato conosco. 

Ex:
Argulose - Piolho de peixe  Argulose - Piolho de peixe
 
Voltar ao topo 

 Quanto devo colocar de comida no meu lago? 

É bastante comum vermos casos de excesso de comida em lagos, pois, como geralmente ficam em ambientes externos e menos controlados, crianças ou pessoais desinformadas acabam alimentando os peixes indevidamente.

 

O ideal é dar aos peixes apenas rações apropriadas e não farelo de pão ou rações de cachorro esfareladas, pois, o sistema digestivo dos peixes é muito sensível e alimentos não preparados para eles podem facilmente causar-lhes problemas.

 

A quantidade ideal de alimento varia conforme o tamanho e espécies dos peixes, porém uma maneira fácil de equilibrar a quantidade é contar o tempo para que os peixes comam toda a ração.

 

O ideal é que elas comam toda a comida em até 2 minutos, caso após este tempo sobre algum alimento no lago o melhor é retirá-lo, caso os peixes tenham comido toda a ração antes deste tempo e ainda aparentem estar com fome, pode ser adicionado mais uma pequeno volume de ração.

 

A Lagos & Cia tem rações da Tetra, Tropical, Poytara, Cubos e Alcon com preços incríveis. Confira!!!

Voltar ao topo 

 Quantos peixes eu posso ter? 

É uma pergunta muito comum, porém para lagos como o volume de água geralmente é muito maior que de um aquário, a quantidade de peixes se limita ao equilíbrio estético do conjunto.

 

Contudo a formula bruta para calculo desta quantidade leva em consideração não só apenas a quantidade de peixes mais sim o tamanho deles, com isso a quantidade de peixes pode variar muito dependendo do tamanho dos peixes que você terá no seu lago.

 

vale lembrar que alguns peixes crescem muito, como por exemplo as carpas que na grande maioria são compradas com 15cm ou 20cm, mais podem chegar até 50cm, então você precisa considerar este crescimento nos cálculos para não ter problemas no futuro.

 

A conta é a seguinte: 1cm de peixe para cada 2lt de água.

 

Então em um lago com 2000lt pode-se ter 100 peixes de no máximo 10cm ou mesmo 30 peixes de 30cm.

 

O ideal é que se tenha no lago vários tipos de peixes de tamanhos, formas e cores diferentes, pois assim como em um jardim, quanto mais colorido o lago, mais bonito será.


Voltar ao topo 

 Posso ter qualquer tipo de peixe no meu lago? 

Podemos ter em lagos todos as espécies de peixes que se adaptem a água com Ph neutro, que não sejam carnívoros e ou agressivos e também que se adequem ao tamanho do lago, porém alguns tipos são mais comuns, abaixo seguem alguns exemplos: 

Carpas
Carpas ornamentais Carpas Ornamentais



Kinguio 
kinguios de lagos ornamentais Kinguio Telscopio


Espada 

Espadinha - Lagos ornamentais Espadinha lagos ornamentais


Molinésia 
Molinesea em lagos ornamentais Molinesea em lagos ornamentais


Barbus Sumatra
Barbus Sumatra Barbus Sumatra

Pangasus

Pangasus Pangasus em lagos ornamentais


Voltar ao topo 

 Meu lago precisa de um esterilizador UV? 

Geralmente os esterilizadores UV ou filtros UV são utilizados apenas para o controle de algas, neste caso a recomendação é que o esterilizador seja utilizado em lagos ornamentais onde o período de exposição direta ao sol seja superior a 3 horas por dia. 

Outra utilização do filtro UV é o controle de doenças, geralmente mais utilizado em aquários por conta do volume de água relacionado, em lagos esta utilização é muito rara, pois o volume de água geralmente é bem grande e o equilíbrio biológico é mais estável, contudo quase todos os lagos ornamentais tem esterilizador UV por estarem expostos a luz solar direta.

 

A Lagos & Cia trabalha com as melhores marcas de esterilizadores UV disponíveis no mercado nacional com preços excelentes. Confira!!!


Voltar ao topo 

 Como funciona um filtro Ultra Violeta? 

Os filtros Ultra Violeta são constituídos de um tubo, geralmente de PVC bem escuro, pois a radiação ultra violeta que estará presente dentro dele pode ser prejudicial a saúde humana, com uma entrada e uma saída de água. Dentro deste tubo é colocado um outro tubo mais fino de vidro ou de quartzo e finalmente dentro deste tubo de vidro uma lâmpada especial emissora de radiação Ultra Violeta.

 

Os filtros UV se beneficiam dos efeitos nocivos da radiação UV-C nos micro organismos. Como isso funciona? Quando a água passa por dentro do tubo de PVC, tanto a água como todos os organismos em suspensão na água ficaram expostos a luz ultra violeta irradiada pela lâmpada, os micro organismos como algas, bactérias, pequenos parasitas, fungos e alguns protozoários quando expostos a radiação UV-C emitida pela lâmpada sofrem uma mutação em seu DNA que impede a sua reprodução.

 

Como estes organismos tem um ciclo de vida muito curto e dependem de sua velocidade de reprodução para se espalhar pelo lago em poucos dias após o inicio de funcionamento de um conjunto de filtro UV com uma bomba bem dimensionada, estes seres iram diminuir drasticamente de concentração, diminuindo as chances de contaminação dos peixes no caso de bactérias e fungos ou devolvendo ao lago a sua aparência cristalina. 

Voltar ao topo 

10º Alguns mitos e verdade sobre o uso de filtros UV em lagos ornamentais. 

Ultimamente, tem se percebido certo interesse e questionamentos sobre a utilização de esterilizadores Ultravioleta (UV) em aquários e lagos. Isso é uma discussão antiga que ressurge periodicamente. Há alguns anos, criadores estão utilizando o UV com grande sucesso em seus lagos. O UV em aquários ou lagos ajuda a controlar a água verde, assim como, as bactérias e parasitas em suspensão na água.

O UV e produtos anti-cloro não combinam?
Para iniciar, vamos olhar a dinâmica de adicionar produtos anti-cloro (usualmente Tiossulfato de Sódio) a água quando fazemos as trocas parciais. Logo que o anti-cloro se mistura com a água, o cloro é neutralizado. O UV, com a vazão correta, não pode interferir nesse processo, pois o cloro é eliminado antes de passar pelo UV. Além disso, não existe reação produzindo compostos tóxicos quando o Tiossulfato de Sódio passa pelo UV.

 

A utilização do UV irá neutralizar medicamentos adicionados na água?
Na maior parte dos casos isso é verdade. É uma pratica comum desligar o UV quando estiver tratando a água com medicamentos. Assim que o tratamento estiver completo o UV deverá ser ligado novamente para controlar bactérias e parasitas que estão em suspensão na água. Isso reduz muito a chance de re-infestação.

 

O UV produz ozônio quando exposto ao oxigênio na água?
Isso não acontece com a utilização das lâmpadas de boa qualidade nos Esterilizadores UV para aquários e lagos. Lampadas UV de baixa qualidade podem sim produzir ozônio, o que é perigoso pois o ozônio é um gas tóxico

O UV irá prejudicar a formação das bactérias nitrificantes?
Nitrosômonas e Nitrobacter não são bactérias que ficam livres na água e por isso elas não entram em contato com o UV. Elas se fixam nas mídias biológicas e nos substratos do aquário ou lago. A única forma em que o UV pode afetar a fixação das bactérias nitrificantes é caso elas sejam adicionadas diretamente na água por produtos específicos. Nesse caso, é recomendado que o UV seja desligado até que elas consigam se fixar.

 

O UV pode fazer com que os peixes percam resistência a doenças e parasitas por eles viverem em um ambiente estéril?
Como a água esterilizada pelo UV retorna ao tanque se misturando a água não esterilizada, não existe como remover todas as bactérias e parasitas da água, Sem entrar em uma discussão de coeficiente de pureza, podemos dizer que o UV bem dimensionado e com a vazão correta, irá matar 99.99% das bactérias patogênicas e parasitas que estão na água do aquário ou lago. Adicionalmente, peixes produzem dejetos e, com eles, existem bactérias. O UV está simplesmente removendo o fator de doença na água. O peixe não perde sua imunidade e o sistema imunológico não fica dormente. A energia utilizada para combater doenças é apenas direcionada para o crescimento e coloração do peixe.

 

O UV mata apenas bactérias e não os parasitas?
Isso não é verdade. Parasitas presos aos peixes não são de fato afetados pelo UV. Quando o parasita está em seu estágio de suspensão na água do seu ciclo de vida é que o UV irá agir eliminando-o da água. Por isso, medicamentos devem ser adicionados para remover os parasitas da água e, depois disso, o UV irá proteger da re-infestação.

Um UV que produz 28000 microwatts com um contato da água de 5 segundos irá matar os seguintes parasitas e bactérias patogênicas encontradas em aquário e lagos.

  • Chilodinella;
  • Costia;
  • Epistylis;
  • Heximita;
  • Ichthyophithirius Multifilis (Ictio de água doce);
  • Trichodina;
  • Flukes – Dactylogyrus and Gyrodactylus;
  • Argulus;
  • Lernea (Verme ancora);
  • Aeromonas – hydrophila, salmonicida;
  • Certomyxa shasta;
  • Edwardsiella – Septicemia;
  • Flexibacter columinaris;
  • Mycobacterium fortuitum – Tuberculosis;
  • Pseudomonas – flourescens, putida, anguilliseptia, aeruginosa;
  • Sacrina lutea;
  • Saprolegenia hyphae.

Resumindo, com o esterilizador UV estamos criando um ambiente mais saudável para nossos peixes. Em sistemas fechados, como aquários e lagos, bactérias patogênicas e parasitas podem se reproduzir em taxas alarmantes. Controlar essas bactérias patogênicas e parasitas com o UV pode não somente controlar disseminação de doenças, mas pode também, produzir um ambiente muito mais saudável para que nossos peixes possam prosperar.

Rick G. Copeland
Tradução: Caio Bianco
Adaptação: Santiago V. Prata


Voltar ao topo 

11º Como manter seu filtro sempre funcionando. 

Hoje em dia temos no mercado nacional varios tipos de filtros para lagos ornamentais, iremos mostrar como fazer a correta manutenção dos modelos mais utilizados. 

Filtro por gravidade:
Podemos dizer que este é o modelo mais comum, pois tem o custo mais acessível e a mais fácil instalação e manutenção.
Ex:

Filtro biológico por Gravidade


Nestes modelos, para o perfeito funcionamento do filtro devemos sempre:

1º Manter uma entrada de ar (a maioria dos modelos tem um furo na tampa), pois as bactérias que iram "comer" os detritos presentes na água são aeróbicas e precisam de muito oxigênio para permanecerem vivas e saudáveis.

2º Limpar periodicamente a espuma da parte superior do filtro. É muito importante nunca "limpar" as camadas mais fundas do filtro (Geralmente são rolinhos de cerâmica ou de plásticos, podendo ser até bolinhas de argila expandida em alguns casos), pois é nesta parte onde ficam fixadas as bactéricas que limparam a água. 3º Mensalmente verificar se a saída de água está obstruída. O "lodo" que se acumula no fundo do filtro, muitas vezes pode fechar as saídas de água do filtro e este irá transbordar, perdendo seu principio de funcionamento e muitas vezes jogando grande quantidade de água para fora do lago.

 

Veja exemplos de filtros por gravidade.

Filtro pressurizado:
Para este tipo de filtro temos 2 subgrupos, com e sem ultra-violeta.
Ex:
Filtro pressurizado

A manutenção deste tipo de filtro é praticamente a mesma do por gravidade, a única diferença é que este tem que ser desligado antes da manutenção, pois como o seu funcionamento é por pressão, não é possível a abertura em funcionamento.
Nos modelos com ultra-violeta, temos que verificar também se a mesma esta funcionando corretamente (geralmente há um visor externo para este fim).

 

Veja exemplos de filtros pressurizados

Voltar ao topo 

12º Cuidados com a bomba. 

As bombas de lagos em sua grande maioria tem o mesmo principio de funcionamento, elas funcionam submersas e são compostas por um corpo que é o motor propriamente dito, onde há um enrolamento recoberto com resina epóxi para evitar a entrada de água na parte elétrica. Um rotor totalmente composto por um imã. O eixo que pode ser de metal ou cerâmica. E as conexões de água e acessórios, como pré-filtro e etc. 
Bomba SB-2000 aberta

A manutenção neste tipo de bomba é bem simples e deve ser realizada apenas quando a mesma tem seu fluxo de água diminuído ou quanto a mesma demora para ligar.

Caso o problema seja a diminuição do fluxo de água, primeiramente devemos limpar o pre-filtro que fica na entrada de água (parte de sucção da bomba).
Caso a limpeza do pre-filtro não resolva, ou o problema seja demora no inicio do funcionamento da bomba, devemos efetuar a limpeza da parte interior da bomba que, deve ser feita desmontando-se a bomba conforme a sequência da figura acima, devemos limpar: eixo, rotor e a base da mesma, que é o local um o rotor vai inserido, faremos isso com o próprio dedo, esfregando as laterias para a retirada do limo que por ventura tenha se acumulado. 

Caso alguma das peças como rotor, eixo ou pré-filtro estejam danificadas, poderemos trocar apenas a parte com defeito com as peças de reposição existentes no mercado.

 

Veja aqui as peças de reposição para bombas submersas

Voltar ao topo 

13º Cuidados com a água. 

Em lagos ornamentais raramente notamos modificações em padrões da água como Ph e temperatura, devido a grande quantidade de água, porém em alguns casos, onde a quantidade de água pode ser menor é preciso ficar atento a estes fatores, que são de extrema importância para a boa "saúde" do lago.

Em lagos relativamente pequenos devemos tomar cuidado com grandes mudanças de temperatura, pois isto pode prejudicar a saúde dos peixes, quando ocorre um caso deste podemos apelar para a ajuda de aquecedores aquáticos. 

Há casos também onde podem ocorrer mortandade de peixes, devido a infestações ou até mesmo a mudanças bruscas de temperatura, isto pode acarretar também a mudança no Ph da água o que pode piorar ainda mais a situação. Neste caso temos que optar pelos corretores de Ph disponíveis em lojas de aquários.

 

Trabalhamos com toda a linha de teste e tratamentos para água de lagos e aquarios. Confira!!!

Voltar ao topo 

14º Algas verdes. 

Talvez o maior problema enfrentado por donos de lagos ornamentais, as algas verdes, elas são "plantas" microscópicas que tem grande capacidade de "aparecer" da noite para o dia. A correção na maioria das vezes é bem complicada e a melhor maneira de evita-las é a prevenção mas para isso é necessário que entendamos como elas surgem e do que elas se alimentam. 

As algas precisam de no minimo 2 fatores para se instalarem:

1º - Grande exposição a luz solar, geralmente a partir de 30% do dia exposto a luz solar direta já é o suficiente para a proliferação de algas. 

2º - Quantidade suficiente de nutrientes na água (fosfatos e nitratos basicamente).

Podemos fazer o controle das algas dosando-se as quantidades destes 2 fatores acima, nutrientes e luminosidade, para eliminar as condições ideais para a proliferação das algas.

Como é muito difícil de conseguir equilibrar estes 2 fatores, a melhor solução costuma ser a utilização do filtro UV. Ele funciona neutralizando o sistema de reprodução da alga, como o ciclo de vida dela é bem curto em alguns dias a água volta a ficar cristalina.

 

Oura solução é a aplicação continua de algicidas. Inicialmente o custo do algicida é bem menor que a instalação de um esterilizador UV, contudo como o uso deve ser continuo a longo prazo o valor gasto se torna maior.

 

Veja aqui exemplos de algicidas

 

Veja aqui alguns exemplos esterilizadores UV


Dúvidas de qual esterilizador comprar ou se vale a pena utilizar o algicida, entre em contato conosco tiramos todas as dúvidas.

Voltar ao topo 

15º O ciclo do nitrogênio e sua importância para o lago.

Todos devem se lembrar que na escola estudaram o ciclo da água que, evapora, condensa, chove e volta para os rios e lagos. Bom em todos os lagos (e também aquários) ocorre um ciclo tão importante para o lago quanto o ciclo da água para a vida humana, é o ciclo do nitrogênio.

 

Todos os lagos, naturais ou artificiais terão um ciclo de nitrogênio, completo ou não. Um bom funcionamento deste ciclo irá ditar se seu lago terá uma existência saudável.

 

O nitrogênio é um elemento químico essencial para a vida terrestre, pois é com ele que os organismos vivos conseguem produzir moléculas como aminoácidos e proteínas, sabendo disso começaremos nosso ciclo.

 

Toda matéria orgânica contém nitrogênio e quando restos de matéria orgânica (folhas, restos de comida, fezes, urina, pequenos insetos mortos e etc) entram em decomposição na água produzem amônia (NH4). A amônia é extremamente tóxica para a vida aquática e será rapidamente convertido em nitrito (NO2) pelas bactérias aeróbicas ou nitrificantes, que são conhecidas como as bactérias benéficas que ficam alojadas nas mídias dos filtros biológicos. O nitrito apesar de ainda ser tóxico é bem menos letal do que a amônia. O nitrito por sua vez será convertido pelas bactérias nitrificantes em nitrato (NO3) que é um elemento orgânico não tóxico (nutriente) fácil de ser assimilado por plantas e algas fechando o ciclo do nitrogênio.

 

Por este motivo é extremamente importante ter um filtro biológico eficiente, pois sem a grande quantidade de bactérias que se alojam no filtro será muito mais difícil de converter toda a amônia gerada no lago em nitrato prejudicando a qualidade da água e a saúde dos peixes.

 

Contudo o nitrato é um excelente nutriente e seu excesso na água do lago favorece a proliferação de algas, ou seja uma lago é um mini ecossistema vivo e seu bom funcionamento depende de um perfeito equilíbrio entre todos os seus seres e recursos.

 

Voltar ao topo 


16º Como calcular a quantidade de manta necessária no meu lago?.

Primeiramente você deverá escolher o local onde o mesmo será construído e definir quais as dimensões do projeto (Veja um tópico sobre o assunto em nosso fórum). Após definidas as medidas que você deseja que o lago tenha, leve em consideração as seguintes dicas para calculo da quantidade de manta ou geomembrana a ser comprada para seu lago ornamental

 

A titulo de exemplo, pensaremos em um lago em formato simples (de feijão) e com medidas A = 3m e B = 2m, conforme figura abaixo.

Exemplo de formato de lago ornamental


Iremos considerar também que a profundidade do mesmo é de 30cm ou 0,3m. A profundidade irá influenciar bastante na medida de manta a ser utilizada.

Iniciemos os cálculos com as medidas de largura e comprimento 3mx2m ou 6m².

 

Adicionaremos a cada medida o valor da profundidade (30cm neste caso) multiplicada por 2, pois o lago terá 2 laterais, ficando da seguinte forma:

 

3+0,3+0,3m x 2+0,3+0,3m = 3,6m x 2,6m ou 9,36m²

 

Acrescentaremos ainda 20cm de cada lado do lago, esta medida visa compensar eventuais erros na escavação ou medida, além disso é necessária uma sobra de manta nas laterais do lago para que se possa fazer a fixação da manta e a confecção das bordas do lago, ficando:

 

3,6+0,2+0,2 x 2,6+0,2+0,2 = 4m x 3m ou 12m²

 

Podemos ainda acrescentar aos cálculos a quantidade de manta necessária a impermeabilização da base da cascata (caso o lago tenha uma), pois em via de regra as pedras que formaram a queda d'água ficará fora do perímetro do lago, no entanto este medida pode variar de caso a caso e deverá ser considerada apenas em um dos lados (aquele que receberá a cascata).

 

Como na maioria dos casos os lagos tem formas irregulares e arredondadas e as mantas são vendidas apenas em medidas quadradas, pode-se utilizar os retalhos ou sobras deste cantos e arredondamentos para se impermeabilizar a base da cascata, tomando apenas o cuidados de utilizar um pedaço de tamanho adequado, ou colando-se vários pedaços.

 

Voltar ao topo


17º Qual areia devo utilizar no meu lago?.

Tem sido uma dúvida cada vez mais comum entre as pessoas que estão montando seu primeiro lago de jardim. 
Com o aumento dos praticantes deste hobby começaram a aparecer no mercado alguns "fabricantes" de areia para lagos ornamentais, contudo não existe um tipo de areia específica para utilização em lagos de jardim, mais existem tipos mais indicados. 

A areia disponível a venda no Brasil é na sua imensa maioria proveniente do fundo de rios e represas, contudo podem surgir locais próximos ao litoral, onde a areia é vinda de praias, estas não podem ser utilizadas para lagos ornamentais, pois além da salinidade pode alterar o pH da água. 

A Lagos & Cia indica para seus clientes a utilização de areias de grão médio a grosso peneire a areia para retirar possível pedrinhas ou objetos pontiagudos, a areia de grão mais grosso é melhor pois não "levanta" com facilidade ao nadar dos peixes e movimentações na água, sendo assim, seu acesso aos sistemas de bombeamento é significativamente menor, aumentando a vida útil dos mesmos, outro ponto é que a areia sempre vem acompanhada de muita sujeira, que é natural, por isso é necessário lavar a areia antes de coloca-la no lago, contudo existem locais onde são vendidas areia pre-lavadas que poupam um bom trabalho. 

Outra recomendação é que se utilize a areia mais clara encontrada, pois assim seu lago ficará com um aspecto mais limpo e ajudará na impressão de uma água mais límpida e cristalina. 

Em muitos casos são utilizados seixos de rios e outros tipos de pedras no fundo dos lagos de jardim, contudo está utilização não é recomendada, pois as pedras do fundo acumulam sujeira além de ficarem verdes com o passar do tempo fazendo com que o lago ganhe um aspecto de sujo e mal cuidado.

 

Voltar ao topo



18º Quanto vai custar meu lago de jardim?.

Hoje em dia creio que está seja a pergunta chave na tomada de decisão para construir ou não um lago ornamental na casa de qualquer Brasileiro, porém ela também é a pergunta mais difícil de se responder.


Muitos fatores devem ser levados em consideração para o calculo do valor a ser gasto em um lago de jardim. As medidas de comprimento, largura e profundidade são as principais características a serem analisadas, pois a partir delas serão calculados todos os equipamentos. Dentre estas 3 medidas e maior vilã é a profundidade, pois ela aumenta muito a quantidade de água no lago, que acarreta maiores bombas e filtros mais potentes, porém após os 40cm não gera nenhum beneficio além da estética. 

A estética alias é um ponto relevante na formação do custo de um lago. A quantidade de plantas é pedras é o principal nesta categoria e principalmente na montagem temos sempre que ter em mente que "o menos é mais", pois plantas crescem e não precisa ser colocadas, em um primeiro momento, em grandes quantidade a fim de "encher" o lago, lembre-se, plantas aquáticas crescem muito mais e mais rápido que plantas terrestres e uma quantidade grande pode se tornar um problema no futuro. 

O ideal é fazer um lago que caiba não só no seu jardim, mais também no seu bolso e a Lagos & Cia está sempre a disposição para auxilia-lo no correto dimensionamento do seu lago, para que você possa ter sempre o melhor com o menor custo. 

Um lago é um elemento vivo e em constante transformação e por isso é totalmente viável acrescentar, tirar e mudar qualquer elemento dentro e fora dele a qualquer momento.

 

Voltar ao topo

 

19º - Por que comprar uma ração de boa qualidade para meus peixes?

 

Existem no mercado brasileiro muitas marcas nacionais e importadas além de vários modelos de rações para peixes ornamentais para lagos de jardim, especialmente para carpas e kinguios, isso sempre gera muita dúvida sobre qual ração comprar. Para entender melhor por que a ração que você dá a seus peixes deve ser de boa qualidade, vamos primeiro entender como funciona o sistema digestivo dos peixes, na verdade em especial a carpa.

 

As carpas KOI e/ ou carpas coloridas possuem um sistema digestivo muito simples, com esófago curto e não possuem estômago, por isso toda a comida ingerida por uma carpa acaba sendo digerida no intestino.

 

Por conta deste sistema digestivo particular a ração ofertada as carpas deve ser de fácil digestão e rica em proteínas, vitaminas e minerais.

 

Uma boa ração não pode conter quantidades significativas de carboidratos e gorduras, principalmente de origem animal, pois estas não seram digeridas.

Uma boa ração deve também ter boa flutuabilidade, pois os peixes de lagos como a carpa tem habito de comer na superfície e dificilmente iram aproveitar os grãos que afundem, além de que a ração assim que entra em contato com o ar e principalmente depois que entra em contato com a água começa a perder as suas características e vitaminas.

 

Outro ponto importante na escolha é o tamanho da ração que tem que se adaptar ao tamanho de seus peixes para que eles não tenham dificuldade na hora de comer, isso porque as carpas não mastigam e engolem os grãos inteiros.

 

A Lagos & Cia trabalha com as melhores marcas nacionais e importadas de rações para carpas, como TropicalTetraAlcon e Poytara escolha a que melhor se adapta ao seus peixes e boa curtição.

Voltar ao topo

 

20º - Tudo o que você precisa saber sobre mantas impermeabilizantes para lagos ornamentais

Existem atualmente no mercado nacional vários opções de mantas para impermeabilização de lagos ornamentais, sendo que, as mais comuns são as de EPDM, PVC e PEAD. Iremos mostrar aqui as principais características, vantagens e desvantagens de cada composto e quais as principais aplicações de cada um.

 

Primeiramente vamos falar do PEAD (Poli Etileno de Alta Densidade), pois este é o composto mais barato existente no mercado.

 

O PEAD é um tipo de plástico rígido muito utilizado na fabricação de caixa e embalagens, além de tubulações para eletricidade, água e telefonia, além é claro na impermeabilização de lagos, tanques e reservatórios.

 

Suas principais características são:

  • Resistente a altas temperaturas;
  • Alta resistência à tensão; compressão; tração;
  • Baixa densidade em comparação com metais e outros materiais;
  • Impermeável;
  • Inerte (ao conteúdo), baixa reatividade;
  • Atóxico
  • Pouca estabilidade dimensional
 
A manta de PEAD geralmente é utilizada em reservatórios para produtos químicos e tanques para tratamentos de efluentes, devido a sua resistência a produtos químicos.
 
Sua principal vantagem é o preço, pois, como o PEAD é o polímero mais simples que existe, sua fabricação é extremamente simples e barata.
 
As principais desvantagens na utilização em impermeabilização de lagos ornamentais são:
 
  • Baixa elasticidade, cerca de 20%
  • Alta rigidez, dificulta a modelagem e acompanhamento das irregularidades do formato
  • Dificuldade na execução de emendas e reparos, pois necessita de equipamentos caros
  • Pouco tempo de garantia (geralmente 5 anos)
 
Outro modelo comum de manta de impermeabilização é a de PVC (Poli Cloreto de Vinila), tem seu custo um pouco maior qua a manta de PEAD, geralmente utilizado na fabricação de tubos para condução de água e eletrodutos, além de capas para fios e cabos.
 

Suas principais características são:

  • Resistente à ação de fungos, bactérias, insetos e roedores;
  • Resistente à maioria dos reagentes químicos;
  • Bom isolante térmico, elétrico e acústico;
  • Sólido e resistente a choques;
  • Impermeável a gases e líquidos;
  • Não propaga chamas: é auto-extinguível; 

A manta de PVC geralmente é utilizada na construção de reservatórios de água potável e de tanques para criação de peixes, além de tanques para armazenamento.
 
Suas principais vantagens são a grande elasticidade, cerca de 200%, além do baixo custo e facilidade na execução de emendas e reparos.
 
As principais desvantagens da manta de PVC na impermeabilização de lagos ornamentais são:
 
  • Baixa resistência a choques
  • Baixa durabilidade (cerca de 10 anos após este tempo deve ser trocada)
  • Pouco tempo de garantia, geralmente 2 anos
  • Apesar da boa elasticidade, após alguns anos de utilização esta característica se perde podendo ocasionar rupturas
  • Pouca resistência a radiação solar, necessitando de uma cobertura para proteção mecânica da manta
 
E por ultimo falaremos da manta de EPDM (Etileno, Propileno, Dieno, Monômero) a Geomembrana de EPDM e a melhor solução para montagem de lagos ornamentais, apesar do preço mais elevado suas características a tornam altamente recomendada para impermeabilização de lagos ornamentais.
 
As principais características são:
 
  • Altíssima elasticidade, cerca de 400% de alongamento
  • Grande resistência a radiação solar e ao ozônio
  • Alta durabilidade, cerca de 60 anos
  • Grande prazo de garantia 20 anos
  • Facilidade de instalação
  • Facilidade na execução de emendas e reparos
  • Resistente a altas e baixas temperaturas
  • Facilidade para se acomodar e adequar as irregularidades do terreno
  • Grande resistência a pressão e a grandes pesos
  • Fabricada em larguras de 3m, 6m, 9m e 12m e comprimento de até 30,5m sem emendas, ou seja: Para tamanhos até 12m x 30,5m não são necessárias execuções de emendas
 
A borracha de EPDM tem grande aplicação na industria automobilista e aereo-espacial, além dos setores militares e de construção civil.
 
Na Europa, Asia e Estados Unidos é utilizada a mais de 50 anos como impermeabilizante para  lagos ornamentais, no Brasil foi utilizada para impermeabilização de grandes obras como o prédio do Banco Central no palácio do Planalto e nas Hidroelétricas de Ilha Solteira e Porto Primavera entre outras.
 
Sua única desvantagem é em relação ao preço que é mais elevado que a dos outros compostos
 
Em resumo a manta de EPDM é a mais indicada para construção de lagos ornamentais, apesar do preço ser maior as suas características e seu tempo de garantia e durabilidade extremamente superior além da facilidade na instalação a tornam a melhor solução para impermeabilização de lagos ornamentais
 
 
21º Cuidados com a água e eletricidade

A eletricidade, assim como a água, sempre escolhe o caminho mais curto para chegar ao seu destino, que, no caso de eletricidade, é o solo.

A eletricidade é formada por dois elementos: tensão ou voltagem (V) e corrente ou amperagem (A). O que realmente faz com que os aparelhos funcionem e produzam os choques é a corrente; a tensão é a força que impulsiona a corrente a se movimentar.

Existe um fator que limita a quantidade de corrente que se movimenta através de um corpo: é a resistência elétrica (R). Existe uma relação entre resistência, corrente e tensão – V = R x A.

Conforme a relação, quanto maior a resistência menor é a corrente. A resistência do corpo humano, assim como a da água, varia conforme alguns fatores.

No corpo humano varia conforme massa muscular, quantidade de sais minerais no corpo, ou seja, varia de pessoa para pessoa.

A água, ao contrário do que as pessoas pensam, não conduz eletricidade. Porém, onde há sais minerais dissolvidos, pode-se conduzir eletricidade, variando com a quantidade de sais dissolvidos no liquído. Mesmo assim esta condutividade é muito pequena.

Para que uma pessoa tome um choque (igual o da porta da geladeira) dentro de água mineral por exemplo, ela deve estar a menos de 5cm da fonte que, por sua vez, tem que ter tensão igual ou maior que 107 V e tem que dar o azar de ela própria ser o melhor meio da eletricidade chegar até o solo.

Em tensões residenciais padrões (127 V e 220 V) choques podem causar queimaduras leves e espasmos, pode ser fatal quando atinge partes vitais como cérebro e coração, ou quando a vitima fica exposta por um longo período.

 

Quanto ao mito de a pessoa ficar “grudada” no fio por causa de um choque, pode sim acontecer, mas vai depender de uma grande quantidade de fatores que farão com que os nervos do dedo se contraiam e se fechem, como prevenção, sempre que for tocar em um fio ou metal que possa estar energizado, utilize sempre as costas da mão ou dos dedos.

 

Os fios e cabos, além das fitas isolantes e outros apetrechos elétricos, têm isolamento para até 500 V, ou seja, mesmo que em contato com a água ou com a terra, será quase que impossível uma pessoa, mesmo que desavisada venhar a encostar ou pisar em um fio, tomar um choque.

Por isso é sempre bom lembrar: não mexa em fios e cabos, não corte, não descasque e, principalmente, não faça reparos na instalação com a energia ligada.

Seguindo estas dicas você poderá curtir seu lago sem preocupação.

Santiago Prata

22º Tipos mais comuns de carpas Nishikigoi
 
As carpas nishikigoi são os peixes mais apropriados para lagos ornamentais, suportam uma amplitude térmica de 3 graus positivos até quase 40 graus, são resistentes à amônia e a alta salinidade. São dóceis, não apresentam territorialismo e não hostilizam os peixes introduzidos no lago.
 
São de fácil reprodução, mas dificilmente conseguiremos bons filhotes a partir de cruzamentos ocorridos ao acaso, as carpas nishikigoi passam por diversas seleções, somente 5 por cento dos filhotes de boas matrizes atingem o padrão de qualidade estética para receber o nome de nishikigoi.
 
Abaixo listamos os tipos mais populares e frequentes de nishikigois, cruzando diferentes espécies pode-se gerar infinitos tipos de carpas exóticas, mas somente as que se enquadram dentro de um padrão recebem nomenclatura específica.
 
1 - Platinum - carpa de cor sólida branca, um dos tipos de Ogon.
2 - Tantyo - qualquer carpa com um único círculo vermelho em sua testa. Há o Tantyo Kohaku, Tantyo Sanke, Tantyo Showa e outros mais.
3 - Kohaku - uma carpa com padrões vermelhos sobre base branca.
4 - Sanke - uma carpa com padrões vermelhos e pretos sobre base branca.
5 - Koromo - uma carpa originada do cruzamento com um Asagui, apresenta segmentos de escamas azuis
6 - Hikarimoyomono - uma carpa com padrões coloridos sobre base metálica e uma carpa com 2 cores metálicas.
7 - Asagui/Shusui - uma carpa com dorso azul e abdômen vermelho, sendo o Shusui, um Asagui doitsu (alemão).
8 - Kinguinrin - uma carpa com escamas cintilantes. Literalmente, escamas douradas prateadas.
9 - Yamabuki Hariwake - uma carpa platina com estampa amarela.
10 - Ogon - uma carpa com uma única cor sólida, normal ou metálica, nas cores vermelha, laranja, platinada, amarela ou creme.
11 - Kawarimono - uma carpa tipo miscelânea. Carpas pretas, amarelas, cor de chá e verdes.
12 - Karasugoi - uma carpa preta, com uma tonalidade muito densa, somente a barriga paresenta coloração marrom escuro.
13 - Hi-Utsuri - carpa de fundo preto com estampas que variam do laranja ao vermelho caqui.
14 - Showa - uma carpa com padrões vermelhos e brancos sobre base preta.
15 - Shiro-Utsuri - carpas pretas com estampas brancas, difere da shiro-bekko por apresentar coloração preta na cabeça e na base das nadadeiras.
16 - Bekko - uma carpa com padrões pretos sobre base branca, vermelha ou amarela. 
 
 
23º Quanto de ração comprar para meus peixes
 
Tão importante quanto saber qual ração comprar para seus peixes é saber quanto de ração comprar, pois todas as rações tem, além do prazo de validade enquanto fechadas na embalagem, um tempo de vida útil após a embalagem ser aberta.
 
Após você abrir a qualquer embalagem de ração para peixes o seu conteúdo passa a ficar exposto ao ar e a umidade e isso faz com que a ração perca, gradativamente, suas vitaminas, nutrientes e sua qualidade em geral.
 
Por esse motivo você deve sempre comprar rações em embalagens que, depois de abertas, seus peixes irão consumir em no máximo 90 dias, garantindo assim que todos os nutrientes e vitaminas e a qualidade do alimento que você oferece aos seus peixes sejam preservadas.
 
Vale lembrar que as rações não podem ficar expostas ao sol e ao calor e nem armazenadas em lugares úmidos.
 
 
24º Como identificar doenças nos peixes?
Este é um artigo muito interessante publicado pela Alcon. Com ele você poderá facilmente, através de um organograma, identificar se seu peixes esta doente, qual a doença mais provável e também qual tipo de medicamento utilizar para o ratamento.
guia de doenças Alcon
 
 
25º Como escolher a bomba certa para meu lago?
Escolher a melhor bomba para se usar em um lago ornamental não é algo difícil, porém demanda um pouco de pesquisa e alguns cálculos para que o barato não acabe ficando caro.
A escolha de uma bomba pra lago deve levar em consideração 2 aspectos básicos:
  1. Volume de água do lago
  2. Altura que a água deverá chegar
 
Quanto ao volume, um lago deve ter, em geral, uma quantidade de bombeamento por hora maior que a capacidade total do lago. Abaixo segue uma regra geral para se calcular qual o volume de vazão recomendado para um lago.
 
  • Lagos com até 500l de volume - Vazão entre 4 e 5 vezes o volume
  • Lagos entre 500l e 1000l de volume - Vazão entre 3 e 4 vezes o volume
  • Lagos entre 1000l e 5000l de volume - Vazão entre 2 e 3 vezes o volume
  • Lagos entre 5000l e 15000l de volume - Vazão de 2 vezes o volume
  • Lagos entre 15000l e 30000l de volume - Vazão entre 1,5 e 2 vezes o volume
  • Lagos entre 30000l e 50000l de volume - Vazão entre 1 e 1,5 vezes o volume
  • Lagos acima de 50000l de volume - Vazão de de 1 vez ou menos - Melhor estudar caso a caso
 
Sendo assim para o exemplo de um lago com 2500l de volume, poderia ser utilizada uma bomba entre 5000l/h e 7500l/h, lembrando que não é necessário que esta razão seja conseguida com apenas uma bomba, tomando este mesmo lago poderíamos utilizar 2 bombas de 3000l/h ou ainda 3 de 2500l/h ou uma de 5000l/h e assim por diante.
 
Todas as bombas para lagos perdem eficiência com a elevação da água, ou seja quanto mais alto a água precisar chegar menor será o fluxo da bomba, portanto devemos levar em consideração nos cálculos da bomba ideal a altura máxima (em relação a bomba) que a água deve chegar para passar nos sistemas de filtragem e/ ou fazer um chafariz ou ainda uma cascata.
 
Tomando como exemplo ainda um lago de 2500l mais que terá uma cascata de 2mt de altura, consultando a curva de desempenho das bombas Jato da Cubos vemos que uma bomba Jato 2500 que precise jogar água a uma altura de 2m perde cerca de 20% da eficiência, ou seja consegue um fluxo máximo a 2m de 2000l/h
Curva de desempenho Cubos Jato
 
Neste caso então devemos considerar que 3 bombas Jato 2500 tem vazão total de 6000l/h e não 7500l/h como a principio.
 
Outro aspecto importante na hora escolha é o consumo de energia, tente sempre optar pelas bombas de menor consumo (EX: Linha Orca da Cubos ou FM ECO da jebao) pois as bombas terão que ficar ligadas 24h por dia 7 dias por semana o que no final do mês pode fazer com que a bomba mais barata, porém com consumo de energia maior, acabe não sendo uma boa opção ao longo do tempo.
 
Outra dica da Lagos & Cia é tentar sempre dar preferência para marcas que tem assistência técnica no Brasil e que tenham maior prazo de garantia para evitar transtornos em casos de defeito.
 
 
26º Vitamina para carpas a base de Montmorillonite - O que é?
 
Bom a Montmorillonite é mineral natural, um tipo de argila muito encontrada em cavernas e e também em locais de solo pantanoso ou alagado. É muito utilizado na escavação de poços de petróleo, na proteção do solo em locais sujeitos a períodos de seca, para evitar o rachamento do solo, na construção de barragens e açudes para evitar a fuga de água, também é utilizado na industria de cosméticos e farmacêutica, porém neste ultimo com menor intensidade. Suas características benéficas a criação de carpas foi descoberta em Nigata no JapãoFoi em Nigata que entre 1840 e 1850 iniciou-se a criação de carpas KOI como é conhecido hoje em dia. Os lagos naturais utilizados pelos criadores daquela época eram ricos em argila de Montmorillonite e os peixes criados naquelas águas apresentavam padrões de cores mais reluzentes, além de menor propensão a contaminação de doenças. A Montmorillonite foi descoberta apenas em 1847 na França e apenas depois de muitos anos é que se foi descoberto que ela era o segredo dos lagos de Nigata. Muito utilizada no exterior como substrato de fundo de lagos e aquários além de aditivos na alimentação de animais com a função de anti-aglomerante a Montmorillonite ajuda na absorvição de vitaminas e sais minerais, tornando os peixes mais saudáveis. A Montmorillonite chegou ao Brasil apenas a poucos meses em uma iniciativa pioneira da Cubos em produzir em escala industrial este poderoso mineral que irá fazer com que seus peixes tenham uma alimentação muito mais rica e saudável, com cores vidas e brilhantes além de ajudar a protege-los de doenças.

Venha conhecer e experimente este ótimo produto:

Koi Montmorillonite 1lt
 
 
27º - A Importancia do oxigênio no lago
 
Por Tiago Bettio - Engenheiro de Aquicultura, tiago.bettio@cubos.com.br
 
Como uma baixa concentração de oxigênio afeta a saúde dos peixes?
 
Os peixes quando expostos a uma baixa concentração de oxigênio, mesmo que por um curto período de tempo, não enfrentam tantos problemas desde que outros parâmetros de qualidade da água como pH, Amônia, e Nitrito estejam a níveis aceitáveis. Entretanto, um valor permanente abaixo de 60% de saturação é destinado a causar problemas na saúde dos peixes. A maioria sobrevive alguns dias com uma saturação de 40%, porém caso a concentração de oxigênio caia rapidamente, os peixes começarão a sentir os efeitos da falta de oxigênio e eventualmente morrerão.
 
Quais são os sintomas de falta de oxigênio e como podemos reconhecê-los?
 
A primeira resposta de um peixe que se encontra em água com reduzido oxigênio é aumentar a taxa de ventilação. Qualquer pessoa que conheça de perto seu peixe notará que os peixes mantém um ritmo natural de ventilação, e caso o nível de oxigênio se torne muito baixo, a taxa de ventilação será exagerada. Após o aumento da taxa de ventilação, o peixe irá para a superfície, onde a taxa de oxigênio é maior, podendo também se deslocar para a cachoeira, cascata, retorno de bomba, etc., onde a concentração de oxigênio na água tende a ser um pouco maior.
 
 
Em longo prazo, baixos níveis de oxigênio possuem um efeito devastador na fisiologia dos peixes. Inicialmente o número de células vermelhas que carregam a molécula de oxigênio no sangue aumentam, elevando a capacidade de circulação de oxigênio e aumentando consideravelmente o consumo de energia dos peixes. Esse aumento na demanda por energia não é compensado com um aumento na ingestão de alimentos, devido a grande quantidade de oxigênio necessária para processar o alimento. Como resultado o peixe reduz a ingestão de alimento, perdendo peso como decorrência. Essa perda de peso reflete um distúrbio no metabolismo, o qual pode comprometer órgãos vitais como o fígado.
 
O distúrbio no metabolismo se traduz na incapacidade de suportar o aumento do numero de células vermelhas, provocando uma reação adversa, a queda do numero total de células.  Esta redução causa anemia, diminuindo assim a capacidade de transporte de oxigênio pelo sangue. 
 
Baixos níveis de oxigênio também reduzem a eficiência do sistema imunológico. A exposição em longo prazo a baixos níveis de oxigênio causam no sistema imunológico uma queda no nível da proteína do plasma. Essas proteínas encontradas no plasma são os precursores na criação de anticorpos, os quais os peixes usam para combater os parasitas. Como muitos parasitas são muito bem adaptados para viverem em níveis baixos de oxigênio, a vida de peixes em áreas com baixo oxigênio se torna uma batalha na maioria das vezes invencível.
 
É importante salientar que não é somente o peixe que depende do oxigênio. A bactéria aeróbica que coloniza o filtro também depende, e no caso de queda na concentração de OD, a bactéria não consegue remover a amônia e o nitrito de uma forma eficiente. Isto leva a uma acumulação de nitrito, e consequente amônia na água. Ambos os elementos possuem um efeito tóxicos para os peixes, impossibilitando a absorção de oxigênio pelas guelras. Então, agora os peixes não somente estão em um ambiente hostil com baixo oxigênio, mas também estão com sua habilidade de absorção prejudicada. Oxigênio é o principal componente que sustenta os diversos componentes de um lago ou aquário, por isso caso a quantidade de oxigênio dissolvido diminua, qualquer sistema aquático eventualmente falhará.
 
Apesar da extrema importância, oxigênio é um dos parâmetros da qualidade da agua mais fácil de controlar a níveis saudáveis. A inclusão de uma bomba de ar, e/ou um venturi sempre ajudará a alavancar os níveis de oxigênio dissolvido. Outra maneira de aumentar o oxigênio em lagos é inserindo cachoeiras e fontes que em conjunto com o controle das algas ajudará a prevenir a queda de oxigênio durante a noite. Boas praticas de manutenção ajudam a conter a quantidade de lama e detritos a um baixo nível, reduzindo a demanda por oxigênio através da decomposição da matéria orgânica.
 
Para monitorar constantemente os níveis de oxigênio dissolvido na agua, podemos usar testes de oxigênio ou aparelhos específicos tipo sondas. Uma saturação de no mínimo 60% deveria ser o alvo, enquanto que valores acima de 80% de saturação proporcionarão peixes saudáveis com crescimento rápido, e um sistema de filtragem extremamente eficiente.
 
28º - Meu lago já tem um ano...
Pois é, como passou rápido não é? Agora seu lago já deve estar no alge, plantas crescidas, peixes desenvolvidos (muitos até procriando), água estabilizada. Parabéns você já é um vencedor, os primeiros meses de um lago são os mais trabalhosos mais serviram para que você aprensde-se lições muito valiosas não é mesmo?
 
Bom agora chegou a hora de você iniciar um ciclo de renovação muito importante no seu lago.
 
Com o passar de todo o ultimo ano a camada de areia que recobre o fundo do lago foi acumulando residuos. Apesar de lá ser um ótimo lugar para procriação de bactérias benéficas para o lago, é provável que se tenha acumulado uma quantidade significativa de matéria orgãnica morta neste local, sendo assim recomendamos uma manutenção mais rádical a cada 1 ano.
 
Como fazer:
 
- Limpe bem as mantas acrilicas ou espumas dos sistemas de filtragem.
- Movimente com energia todo o fundo do lago, pode ser entrando dentro dele ou até mesmo usando uma vassoura... o importante é revirar bem a areia para que as particulas se soltem e fiquem suspensas na água.
- Provavelmente a água do lago ficará extremamente suja devido aos detritos agora em suspensão.
- Deixe os filtros trabalharem por mais ou menos 1 hora... após este tempo boa parte da sujeira dispersa na água já terá, ou parado no filtro ou afundado novamente.
- Limpe novamente as mantas ou espumas dos filtros (no caso de filtros pressurizados, pode ser apenas uma retro-lavagem desta vez)
- Repita o precedimento por 2 ou 3 vezes.
 
Pronto a maior parte da materia orgânica que estava no lago você já retirou... agora temos "espaço" para uma nova coloização da areia por novas bactérias que irão ajudar a manter o lago sobre controle até a proxima renovação daqui a 1 ano.
29º - Por que lagos não precisam ter ralos ou ladrões?

Muitas pessoas tem a ideia de colocar um cano ou ralo no fundo do lago, para pegar água no fundo, e acham que isso fará com que a água carregue com ela a sujeira que afunda, assim deixando o lago mais limpo.

Acontece que (principalmente num lago grande) isso não acontece. A sujeira que afunda, gruda lá no fundo e não sai de lá, a menos que você retire ela mecanicamente.

Um exemplo que costumo usar: Um carro cheio de pó na lataria, você vai lá e joga água nele todo (sem usar maquinas de pressão). Quando o carro seca a sujeira continua toda lá (talvez até pior), ou seja, se você não esfregar o carro a sujeira não sai.

Ou seja, o tubo ficando lá no fundo não vai fazer a sujeira sair de lá. Além de isso não ajudar o lago ainda atrapalha... vou explicar

Um lago precisa de movimentação de água correto? Essa movimentação da água serve, basicamente para:

1 - Dar oxigenação, pois, a movimentação da superfície aumenta muito a área de contato da água com o meio ambiente e, assim, aumenta a quantidade de trocas gasosas, aumentando a oxigenação da água.

2 - A movimentação também, tem o papel de fazer com que todo a água de todo o lago, mais cedo ou mais tarde, passe pelo filtro. Esse movimento, continuo e direcionado (bombas de um lado, saídas de outro) faz com que a corrente de água, carregue a sujeira, o máximo possível, antes de afundar e, assim, conseguir que o máximo de sujeira possível vá até o filtro.

Pois bem, sabendo disso vamos pensar no comportamento da água.

Geralmente (quase sempre na verdade) ela volta para o lago de fora para dentro (caindo), isso é bom e necessário pois movimenta a superfície, mas, faz com que o fluxo de água aponte para o fundo do lago.

Se a coleta de água é também no fundo do lago, a corrente de água tende a permanecer no fundo, ou seja, a "corrente de sujeira" é carregada pelo fundo, diminuindo a distancia que ela precisa percorrer até afundar (afinal ela já esta lá no fundo mesmo) e depois que ela afunda amigo, como já vimos acima, não sai mais de lá a menos que seja mecanicamente movimentada (o que é bem difícil principalmente em lagos grandes).

Além disso, com a água corrente, majoritariamente pelo fundo, teremos uma condição de pouca movimentação nas camadas superiores de água e, sabemos que é lá que a água é oxigenada, ou seja, oxigenamos pior a água.

Sem contar que, passando pelo fundo, apenas uma pequena parcela da água vai ser movimentada, assim a tendência de decantação, que já é grande neste sistema, fica ainda maior.

Ou seja, no final das contas o que as pessoas fazem para tirar o lodo do fundo, só vai fazer com que você tenha ainda mais lodo.

Outra ideia que as pessoas tem é de que um lago, quando chove, a água transborda freneticamente e que por causa disso o lago precisa de um ladrão para fazer com que o lago não transborde.

Bom, o lago vai realmente transbordar quando chover bastante, porém, a quantidade de água que vai sair do lago, além de não ser grande, vai estar distribuída por todo o perímetro do lago, ou seja, é incapaz de criar uma corrente de água que possa carregar um peixe ou qualquer outra coisa.

Ou seja, ladrão em lagos é totalmente desnecessário.